26 nov. 2008

5 Naufragos

1 comentario:

Evandro Avellar dijo...

Cinco Naufragos
Sylla Chaves

1
Há, perto do pólo norte,
Uma ilha verde, e assim
Consegue escapar da morte
Um náufrago, cuja sorte
A ela conduz, por fim.

2
Mas na praia... Surpreendente!
Há quatro náufragos já,
Que se entreolham tristemente,
Pois entre essa pobre gente
Idioma comum não há.

3
Parece ser o primeiro
Espanhol... Outro, francês...
Parece russo o terceiro...
Quanto ao quarto marinheiro,
Americano, talvez.

4
Uma catástrofe rara:
Longe, ao norte, o mar cruel
Seus quatro barcos levara
E, junto à ilha, os tragara
Como barcos de papel.

5
De amizade sentem sêde,
Porém surgem confusões,
Porque os seus idiomas - Vêde! -
São como que uma parede
Que separa os corações:

6
«Я друг ваш!» "C'est toi la vache!
Qu'est-ce qu'il veut dire, ce type-là?
S'il continue, je me fâche!"
«Нас четверо. Дело наше -
Работать дружно, друзья!»

7
"Ya basta de tontería!
¡Vamos juntos trabajar!"
"I don't understand you, dear!
We need a boat, but Y fear
That we can't go very far!"

8
"Je crois que cette pagaye
Ne nous conduit nulle part.
Il faut s'entendre!" «He энаю.
Если вас не понимаю,
Что делать?» "¿Cómo empezar?"

9
"Hey! Gentlemen, if you please!
You should speak English with me!"
"Messieurs, il faut que je dise:
Par-lez-fran-çais! Pas d'bêtise!"
«Ты по-русски ґовори!»

10
Já nenhum dêles tolera
O isolamento em que estão,
Mas chegou outro - eu dissera.
"He speaks English", considera
O americano... Verão.

11
De todos é igual o engano:
"¿De qué país es Usted?
¿Es de algún país hermano?
¿Usted habla castellano?"
Sua resposta foi: "Ne!"

12
«Ты тоже русский наверно.
«Ты понимаешь меня?»
"Ne! Ne!", a resposta eterna,
Que ao próprio francês inferna:
"Vous parlez français, n'est-ce pas?"

13
"Now I feel a little better:
You speak English, I am sure!
A turma parece inquieta,
Mas vem resposta completa,
Clara: "Esperanto nur!

14
Mia land' ne estas granda,
Kaj, pro lingva malfacil',
Por popolo tiulanda
Estas lingvo Esperanta
La tutmonda komprenil'."

15
Passa-se uma hora, um dia...
E já se pode sentir
Que da língua da harmonia
Quando o estudo principia
Torna-se róseo o porvir.

16
E mais um mês foi passando
No seu trabalho tenaz.

* * *

E a história termina, quando
Cinco amigos vão singrando
Os mares verdes da paz.